Exportar este item: EndNote BibTex

Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://www.tede.universidadefranciscana.edu.br:8080/handle/UFN-BDTD/655
Tipo do documento: Dissertação
Título: O PROBLEMA DO MAL BANAL E AS SUAS NOVAS MANIFESTAÇÕES NO ENSINO DE HUMANIDADES E O COMPROMISSO ÉTICO-POLÍTICO DA EDUCAÇÃO APÓS AUSCHWITZ
Autor: Zanardi, Isis Moraes
Primeiro orientador: Alves, Marcos Alexandre
Primeiro membro da banca: Rodrigues, Ricardo Antonio
Segundo membro da banca: Henn, Leonardo Guedes
Resumo: Este trabalho discute a importância do ensino de humanidades e as implicações do seu abandono, como ocorrência de novas manifestações de barbáries. Trata-se de mostrar que o esvaziamento do interesse pelo ensino das humanidades poderá afetar a estrutura basilar da sociedade democrática, a constituição de um cidadão crítico-reflexivo e ético-político e culminar com um processo de vazio de pensamento e incapacidade de responsabilizar-se por seus atos. A metodologia adotada partiu, inicialmente, de uma revisão bibliográfica das principais obras de Hannah Arendt (1906-1965) e de outros autores que versam sobre esta problemática, posteriormente, para tratar dos dados a serem analisados, foi utilizado como método a análise de conteúdo proposto por Laurence Bardin (2016), que visa analisar dados, por meio quali-quantitativo e possibilita inferências acerca do que está sendo analisado, com a possibilidade de questionamentos e verificar que os dados coletados indicam ou não o que se propunha a investigar, isto é, se os livros didáticos disponibilizados pelo Plano Nacional do Livro Didático (PNLD) estão aptos, como suporte educacional, para se discutir os conceitos formadores do cidadão e da pessoa humana nas disciplinas de Filosofia, Sociologia e História. A dissertação está organizada desde uma revisão teórica sobre a formação humana, a incapacidade de pensar e o ensino de humanidades. Inicialmente, examina-se o tema da formação humana conectado à incapacidade de pensar, tecendo considerações sobre o problema do mal no pensamento de Hannah Arendt. A partir da análise de Origens do Totalitarismo, de 1951, e de Eichmann em Jerusalém: um relato sobre a banalidade do mal, de 1963, pretende-se refletir acerca dos mecanismos que produzem o adormecimento da capacidade de pensar frente à necessidade da formação humana. Mediante essa análise, se perceberá que o problema do mal assume um viés não apenas radical, mas uma possibilidade de destruição completa do humano, proporcionado pela incapacidade de colocar-se no lugar do Outro e vê-lo não mais como um fim em si mesmo, mas apenas meios para um fim, ou seja, transforma o ser humano em um ser supérfluo. Na análise do caso Eichmann, Arendt percebeu que o réu agia banalmente, manifestando sua incapacidade de pensar, o que tornou possível a normalização da insensibilidade frente o diferente. A banalidade do mal implica na incapacidade de pensar, uma ameaça sempre constante à formação humana. As análises dos livros didáticos tiveram como intuito apresentar a discussão referente ao suporte dado aos educandos, que ao verificar, apresentaram-se falhos ao que se refere a construção do ser humano, enquanto um ser que precisa e merece uma formação reflexiva, com o objetivo de evitar a banalização do mal, ou seja, o vazio de pensamento e a incapacidade de pensar e julgar. Por fim, encaminha-se para as considerações finais que ao que compete a educação como processo de formação na dimensão política, trata-se de transformar as informações em conhecimento, e juntamente, conhecimento em sapiência, para que não ocorra ruídos na formação da integridade do compromisso ético-político na formação do futuro cidadão.
Abstract: This paper discusses the importance of the teaching of Humanities and the implications of its abandonment, as an occurrence of new manifestations of atrocities. This is to show that the emptying of interest in teaching Humanities could affect the basic structure of the democratic society and the Constitution of a critical-reflective and ethical citizen-politician as well as culminating in an empty process of thought and inability to take responsibility for their actions. To do such, the methodology began in a review of the main works of Hannah Arendt (1906-1965) and other authors who address such issues. In order to analyze the gathered data, it was used as Laurence Bardin’s content analysis (2016) which aims to analyze data through a quali-quantitative method and later producing inferences about what is being analyzed, with the possibility of questioning and verifying wheter the data collected indicate what it proposes to investigate, that is, if the textbooks provided by the national plan of the Textbook (PNLD) are able, as educational support, to discuss the ciziten formation concepts and the human person in the disciplines of Philosophy, Sociology and History. This dissertation is organized from a theoretical framework upon the human formation, the inability of thinking and the teaching of Humanities. Initially, it examines the theme of human formation in relation to the inability of thinking, making considerations about the problem of evil in according to Hannah Arendt. From the analysis of the Origins of Totalitarianism, from 1951, and Eichmann in Jerusalem: a report on the banality of evil, from 1963, it is intended to reflect the mechanisms that produce numbness in the ability of thinking regarding the need of the human formation. With such analysis, it can be perceived that the problem of evil takes not only a radical bias, but also a possibility of a complete destruction of the human, caused by the inability to put oneself in the place of the Other, hence not seeing it as a means in itself, but only means to an end, that is, such problem transforms the human being in a superfluous one. The analysis Eichmann’s case, Arendt realized that the defendant acted banally, manifesting his inability to think, therefore, making possible the normalization of insensibility towards the different. The banality of evil implies the inability to think, a continuous threat to the human formation. The analysis of the textbooks were intended to introduce the discussion concerning the support given to students that while checking, were flawed when it comes to building the human being, as a being who needs and deserves a reflexive training, with the aim of avoiding the trivialization of evil, i.e., empty of thought and the inability to think and judge. Finally, moving towards the final considerations related to education as a process of formation in the political dimension, it is about transforming information in knowledge, and knowledge in wisdom so there won't be any noises in the formation of the integrity of the ethical-political commitment in the shaping of future citizens.
Palavras-chave: Problema do mal; Formação humana; Sociedade democrática; Ensino das humanidades; Livros didáticos.
Problem of evil; Human formation; Democratic society; Humanities Education; Textbooks.
Área(s) do CNPq: Ensino de Humanidades e Linguagens
Idioma: por
País: Brasil
Instituição: Universidade Franciscana
Sigla da instituição: UFN
Departamento: Ensino de Humanidades e Linguagens
Programa: Mestrado Acadêmico em Ensino de Humanidades e Linguagens
Citação: Zanardi, Isis Moraes. O PROBLEMA DO MAL BANAL E AS SUAS NOVAS MANIFESTAÇÕES NO ENSINO DE HUMANIDADES E O COMPROMISSO ÉTICO-POLÍTICO DA EDUCAÇÃO APÓS AUSCHWITZ. 2018. 219. Dissertação( Mestrado Acadêmico em Ensino de Humanidades e Linguagens) - Universidade Franciscana, Santa Maria - RS.
Tipo de acesso: Acesso Aberto
Endereço da licença: http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0/
URI: http://www.tede.universidadefranciscana.edu.br:8080/handle/UFN-BDTD/655
Data de defesa: 5-Jul-2018
Aparece nas coleções:Mestrado em Ensino de Humanidades e Linguagens

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Dissertacao_IsisMoraesZanardi.pdf2,1 MBAdobe PDFThumbnail

Baixar/Abrir Pré-Visualizar


Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons